Petrobras anuncia aumento no preço do gás de cozinha; reajustes entram em vigor nesta quinta

Revendedores de Manaus informam que reajuste local deve ser metade do anunciado pela Petrobras (4,4%). Hoje o preço local do botijão de 13 kg, em média, é de R$ 69

Beatriz Gomes e Agências

Manaus – A Petrobras anunciou, nesta quarta-feira (4), o aumento médio de 4,4% no preço do gás de cozinha, referente a um botijão de 13 quilos de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). O novo preço, sem tributos, será de R$ 23,10 na refinaria. Em Manaus, o preço médio do gás de cozinha para o consumidor é de R$ 69,27, segundo a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Os novos preços entram em vigor nesta quinta-feira (5).

O gás de cozinha passou a ter reajuste trimestral, em janeiro de 2018. (Foto: Nathalie Brasil 20/12/12)

De acordo com a Petrobras, no acumulado do ano, o valor do GLP de 13 Kg recuou 5,2% em relação a dezembro de 2017.

Pelo levantamento de preços da ANP, o preço médio do botijão de 13 kg ao consumidor no Brasil é de R$ 68,28, sendo o maior preço de R$ 115,00 e o menor de R$ 50,00. Em Manaus, na última semana de junho, o preço máximo era de R$ 80 e o mínimo de R$ 63, com média de R$ 69,27. Nas distribuidoras, o preço médio do GLP 13Kg era de R$ 59,35.

Na primeira semana de 2018, o preço médio da botija de 13 Kg era de R$ 70 para o consumidor, enquanto nas distribuidoras o valor era de R$ 60,53, segundo o levantamento da ANP.

O gás de cozinha começou a ter reajuste trimestral em janeiro deste ano, “para suavizar os repasses da volatilidade dos preços ocorridos no mercado internacional para o preço doméstico”, disse a Petrobras na época.

Em nota, a empresa justificou que o reajuste foi motivado pela alta da cotação internacional do GLP, que subiu 22,9% entre março e junho, período em que a desvalorização do real frente ao dólar foi de 16%. Segundo a Petrobras, o impacto ao consumidor brasileiro seria maior, mas o reajuste foi diluído no período de nove meses, usado como base para o cálculo do preço, conforme definido na metodologia anunciada em janeiro, e do mecanismo de compensação que permitirá que eventuais diferenças entre os preços praticados ao longo do ano e o preço internacional sejam ajustadas ao longo do ano seguinte, conciliando a redução da volatilidade dos preços com os resultados da Petrobras.

Revendedores

Em Manaus, as distribuidoras não aumentaram o preço desde o início do ano, mas também não houve redução. De acordo com um revendedor, localizado no bairro São Jorge, zona oeste, as envazadoras costumam repassar apenas metade do percentual reajustado pela Petrobras. “Nesse caso, vamos esperar um reajuste de 2,2%”, disse o proprietário da Davi Gás, Davi Hitotuzi. Na loja dele, a botija de 13 Kg custa R$ 74, sem a taxa de entrega de R$ 4.

VÍDEOS