ZFM completa 50 anos e busca competitividade

Beatriz Gomes /redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Zona Franca de Manaus (ZFM) completa, nesta terça-feira, meio  século de implantação e busca superar os desafios para manter a competitividade e as vantagens comparativas em meio às mudanças impostas ao País. O modelo  tenta se adaptar, mais uma vez,  aos avanços do mercado de um mundo cada vez mais digital e de alta tecnologia, paralelo às alterações na legislação nas áreas tributária, trabalhista, previdenciária e fiscal, esta última  que rege o equilíbrio da arrecadação e das despesas do setor público.

As demandas mudam e a automatização das fábricas é importante, destaca a superintendente da Zona Franca de Manaus (Suframa), Rebecca Garcia. “Uma fábrica que produzia 1 milhão de aparelhos precisava de um numero x de trabalhadores, hoje precisa de bem menos mão de obra para a mesma quantidade, então temos que nos reinventar, o nosso modelo, com produtos e soluções alternativas para o polo”, explica.

Outro desafio apontado pela superintendente é a discussão  da possibilidade de um imposto único. Segundo Rebecca, o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (Conselhão)  estuda a adoção do Imposto sobre Valor Agregado (IVA). “O que precisamos reforçar é a necessidade da manutenção da diferenciação do nosso modelo para continuarmos competitivos e garantir a manutenção da nossa floresta”, disse.

Para  as entidades  empresariais,  a atração de novos investimentos tem sido uma das principais dificuldades da ZFM por conta da demora na avaliação dos Processos Produtivos Básicos (PPBs). O PPB é o conjunto de etapas no processo de produção que as empresas devem seguir para obter os incentivos fiscais.

VÍDEOS