Operação prende agentes de funerárias na porta de hospitais

Ação notificou 16 funerárias para coibir a prática ilegal de abordagem de clientes na porta de hospitais e instituições públicas de Manaus

Beatriz Gomes contato@jornaldezminutos.com.br

Três agentes de funerária irregulares foram presos, na manhã de ontem, pela prática ilegal da profissão e concorrência desleal, durante a operação Papa Defunto, da Delegacia do Consumidor (Decon). A ação notificou 16 funerárias para coibir a prática ilegal de abordagem de clientes na porta de hospitais e instituições públicas.

De acordo com a Lei Municipal 1.273, Artigo 83, é vetada a presença de agentes funerários nesses locais com multa para a empresa que tiver funcionário atuando dessa forma. Segundo o titular da Decon, Eduardo Paixão, a prática, apesar de comum, é configurada como concorrência desleal. “Eles abordam clientes para as funerárias se aproveitando do estado emocional frágil dos familiares e, por isso, aquelas que não jogam esse jogo são prejudicadas”, explica o delegado.

A operação foi planejada após denúncias do Sindicato das Empresas Funerárias do Amazonas e de Manaus e de consumidores que reclamaram da forma como foram abordados. “As funerárias foram notificadas e alertadas sobre a prática ilegal, mas no primeiro dia de operação, fomos a dois hospitais e conduzimos três pessoas à delegacia. Os proprietários serão chamados para que a Prefeitura de Manaus autue, já que tem o poder de multar”, disse.
Os agentes irregulares foram flagrados em frente ao Hospital e Pronto-Socorro (HPS)Dr.Platão Araújo e ao Hospital e Pronto-Socorro (HPS) 28 de Agosto. Segundo Paixão, “os investigadores da Decon vão continuar atuando na porta desses locais para acabar com a prática”, afirma.

Foram detidos por concorrência desleal e exercício ilegal da profissão, Bruno Cruz de Lima, 22, e Ramadan Franco Alves, 23. Como a pena é inferior a dois anos, os acusados assinam um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

Orientação

O delegado orienta os consumidores para que procurem referências de funerárias com familiares e amigos para evitar cair em golpes ou receber um serviço de baixa qualidade. “Em alguns casos, além de serviços de baixa qualidade, a pessoa é vítima de estelionato na porta de hospitais e do IML”, alerta.

A operação segue até sexta-feira nos principais hospitais da capital. Denúncias de crimes contra o consumidor podem ser feitas pelos telefones da Decon (92) 99962-2731 e 3214-2264, ou formalizadas pessoalmente na Rua Lima Bacuri, 504, Centro, anexo ao 24º DIP.

VÍDEOS