Brasil e mais 13 países não reconhecem resultado das eleições na Venezuela

O Itamaraty alega que a votação não ocorreu "em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente". O líder Nicolás Maduro foi declarado vencedor, neste domingo

Estadão Conteúdo / redacao@diarioam.com.br

Brasília – O governo brasileiro, ao lado do Grupo de Lima, afirmou que não reconhece o resultado da eleição na Venezuela, na qual o líder Nicolás Maduro foi declarado vencedor neste domingo (20). O Itamaraty alega que a votação não ocorreu “em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente”.

De acordo com a imprensa oficial, Maduro obteve 67,7% dos votos, enquanto o segundo colocado Henri Falcón conseguiu 21,1% (Foto: Wilsom Dias/Agência Brasil)

Em nota emitida na manhã desta segunda-feira (21), o País, juntamente com os governos de Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia expressaram que “não reconhecem a legitimidade do processo eleitoral que teve lugar na República Bolivariana da Venezuela, concluído em 20 de maio passado, por não estar em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente”.

No documento, os países também concordam em reduzir o nível de suas relações diplomáticas com a Venezuela e que chamarão para consultas os embaixadores em Caracas. Além disso, ressaltaram o “aprofundamento da crise política, econômica, social e humanitária que deteriorou a vida” dos venezuelanos, resultando no intenso fluxo de imigrantes para regiões próximas.

O Grupo de Lima ainda lamentou a “grave situação humanitária na Venezuela” e disse que uma reunião com autoridades do país será convocada para tratar de imigração e saúde pública. O encontro deve ser realizado no Peru no começo de junho.

VÍDEOS