Suspeito de ordenar a morte de PM era quem recolhia o dinheiro nas ‘bocas’ de João Branco

Carla Albuquerque / Dez Minutos

Manaus – Rodolfo Barroso Martins, 25, o ‘Gigante’, que ordenou a execução do soldado da Polícia Militar (PM) Paulo Portilho, em maio deste ano, na zona norte de Manaus, também era o responsável por fazer o recolhimento do dinheiro em bocas de fumo comandado por João Ponto Carioca, o ‘João Branco’.

Ele foi o penúltimo envolvido na execução a ser preso. Outro suspeito, Fábio Barbosa de Souza, o ‘Indio’, ainda está foragido. As informações são do delegado especializado em Homicídio e Sequestros (DEHS) Juan Valério.

Gigante’ foi preso no último dia 9 de novembro em Goiás como resultado de uma parceria entre as polícias civis do Amazonas e de Goiás. Ele foi trazido para Manaus na noite de ontem (16).

O soldado Portilho foi encontrado morto em maio deste ano, na invasão Buritizal, no bairro Nova Cidade, zona norte de Manaus.

Suspeito de ‘bater o martelo’ para a morte do soldado Portilho é preso em GO

‘Sorriso’ confessa participação na morte do soldado Portilho mas diz que foi apenas ‘olheiro’; assista

‘Filé é ‘a cabeça’ do problema’, diz delegado sobre a morte do soldado Portilho

De acordo com Juan Valério, o criminoso estava morando em uma casa luxuosa e mesmo de longe continuava responsável pelo dinheiro do tráfico.

Confira o organograma do tráfico no Buritizal

 

Em depoimento à polícia, segundo Valério, o suspeito negou envolvimento nos crimes. Mas todos os demais presos cogitaram à polícia ter sido ele o mandante da morte.

O delegado ressaltou, ainda, que, ao todo, 15 pessoas estão envolvidas na ação criminosa. Dentre elas, 12 já foram indiciadas por homicídio; três adolescentes foram apreendidos pela participação no delito; um jovem, identificado como José Isac Santos da Silva, o ‘Trem Bala’, foi encontrado morto no dia 3 de junho deste ano em um ramal na Rodovia AM-010, e um homem, identificado como Fábio Barbosa de Souza, o ‘Índio’, continua foragido.

Rodolfo foi indiciado por homicídio qualificado. Ao término dos trâmites legais na unidade policial, ele será encaminhado para o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), onde ficará à disposição da Justiça.

VÍDEOS