PC investiga se vendedor morto com a tia foi assassinado por motivo passional

O cunhado de Arlete, Raimundo Ferreira de Lima, 72, afirmou que a família desconfia que o vendedor tenha terminado o relacionamento com o suspeito do crime e que o suspeito tenha cometido o assassinato para se vingar, por não aceitar o término

Stephane Simões contato@jornaldezminutos.com.br

A Polícia Civil (PC) está investigando se o assassinato do vendedor Alexsandro Mateus Araújo de Lima, 31, teve motivação passional. Na ocasião, a tia dele, Arlete Almeida de Araújo, 70, também foi morta. O crime aconteceu na Rua 10, no conjunto Hileia, bairro Redenção, zona centro-oeste da capital, na noite da última terça-feira. O grupo Rouge publicou, ontem, uma homenagem, em sua conta no Twitter (@oficialrouge), para Alexsandro, com uma série de fotos do vendedor ao lado das integrantes da banda.

Alexsandro e Arlete foram encontrados mortos, sem roupa, em dois banheiros diferentes da casa, com as cabeças esmagadas. No local onde Alexsandro foi morto, a polícia encontrou embalagem

O Rouge publicou uma homenagem, em sua conta no Twitter, para Alexsandro, com uma série de fotos do vendedor ao lado das artistas (Foto: Reprodução/Twitter Rouge)

de preservativo usado. Conforme o delegado titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Orlando Amaral, o exame da perícia não havia sido concluído, até a manhã de ontem, para constatar se houve estupro.

As equipes de investigação da Polícia Civil retornaram ao local, na manhã desta quarta-feira, para prosseguir com as diligências. Segundo Amaral, duas pessoas foram ouvidas na delegacia.

Uma das linhas de investigação da polícia é de que o crime tenha sido praticado por uma pessoa com a qual o vendedor se relacionava. Amaral afirma que o crime pode ter sido praticado por uma pessoa que tinha livre acesso ao local, visto que a casa não tinha sinais de arrombamento. “Segundo as testemunhas, ele tinha muitos parceiros. Ele levava para dentro de casa pessoas que ele conhecia na noite anterior”, acrescentou Amaral.

O cunhado de Arlete, Raimundo Ferreira de Lima, 72, afirmou que a família desconfia que o vendedor tenha terminado o relacionamento com o suspeito do crime, que a família afirma não conhecer, e que o suspeito tenha cometido o assassinato para se vingar, por não aceitar o término.

Homenagem

O grupo Rouge homenageou Alexsandro, ontem pela manhã, em sua conta no Twitter. Na postagem, foi usada uma série de fotos de Alexsandro ao lado das integrantes do grupo. Na legenda, foi escrito: “Nossos sinceros sentimentos à família e, onde você estiver, Alex, receba nosso amor. Que fique em paz!”.

O crime

De acordo com o tenente da 17ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), Carlos Felipe, no fim da tarde de terça-feira, um amigo de Alexsandro decidiu ir até a residência, após estranhar o vendedor faltar dois dias de trabalho e não comunicar, nem atender o telefone. O homem pulou o muro da casa e encontrou os corpos da tia e sobrinho.

Segundo o tenente Carlos Felipe, o vendedor estava com uma corda enrolada no pescoço. Já a idosa estava despida e com fezes ao lado do corpo.

A sobrinha da idosa e irmã de Alexsandro, Marizete Araújo de Lima, 46, disse que recebeu uma ligação telefônica no início da noite, informando que havia uma grande movimentação de polícia no local. Marizete confirmou que Alexsandro era homossexual, e disse, ainda, que o avô dela foi morto estrangulado na mesma casa, durante uma tentativa de assalto, há dez anos.

VÍDEOS