FVS-AM inicia distribuição de 40 mil mosquiteiros no interior em ação contra malária

Manaus – A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) iniciou, nesta quarta-feira (13), a distribuição de 40 mil mosquiteiros em seis municípios do interior do estado considerados prioritários em prevenção a casos de malária.

Os municípios que receberão os mosquiteiros são Eirunepé, Lábrea, Santo Antônio do Içá, Tabatinga, Tapauá e São Gabriel da Cachoeira. Os equipamentos serão instalados nas áreas de maior incidência e terão inseticidas de longa duração.

De acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde (Susam), neste ano foram contabilizados mais de 4,9 mil casos da doença em São Gabriel da Cachoeira e, em segundo, está Lábrea com mais de 1 mil casos. Juntos, os seis municípios são responsáveis por 32.89% dos casos no estado.

Segundo a Susam, nos primeiros cinco meses deste ano, houve redução de  20,7% no número de casos no Amazonas em comparação ao mesmo período de 2015. De  janeiro a maio de 2016, foram registrados 19.563 casos de malária no estado, contra 24.697 em igual período no ano passado.

O secretário estadual de Saúde, Pedro Elias, afirmou que a ação de distribuição dos mosquiteiros faz parte da estratégia pra reduzir a endemia. Elias ressaltou, ainda, que este é o período em que inicia a sazonalidade da doença e que é importante o apoio das Prefeituras, nas ações de enfrentamento à doença.

Meta

Segundo o diretor-presidente da FVS, Bernardino Albuquerque, a meta é reduzir em 40% os casos de malária até dezembro de 2016.

“O desafio é imenso, mas é possível, com o apoio do Governo do Estado nas ações de controle, por meio de aquisição de equipamentos e material que foram destinados aos municípios. Dentre eles,  bombas aspersoras, veículos fluviais e terrestres, além de microscópios para ampliação da rede de diagnóstico. Com isso, espera-se fortalecer a estrutura para o diagnóstico precoce e tratamento adequado e imediato das populações que moram em locais de risco para a doença”, disse.

De acordo com o chefe de Departamento de Vigilância Ambiental (DVA-FVS), Cristiano Fernandes,  a estratégia dos mosquiteiros impregnados está prevista no Plano Plurianual de Controle da Malária.

“É fundamental continuar a vigilância e usar estratégias diferenciadas, pois a doença se apresenta, no estado, com uma distribuição geográfica e epidemiológica bastante heterogênea, com diferenças marcantes em função das particularidades de ocupação da região”, explica Fernandes.

O Amazonas conta com 1.115 postos de microscopia distribuídos em todo o estado, nas áreas urbanas e rurais, incluindo as comunidades mais remotas e de difícil acesso. Esta estratégia garante um dos princípios básicos do Sistema Único de Saúde (SUS), que é a universalidade e o acesso ao diagnóstico e tratamento precoce.

VÍDEOS