Em sua estreia, Tite opta por experiência para escalar a seleção brasileira

Estadão Conteúdo /Dez Minutos


São Paulo – Uma equipe que mantenha a intensidade, seja agressiva, valorize a posse de bola, atenta às bolas altas do adversário. É assim que Tite quer a seleção brasileira na sua estreia, contra o Equador em Quito. O técnico tem a equipe quase definida – vai optar por uma formação com jogadores experientes.

Tite mantêm em segredo os titulares. Nesta terça-feira, fechou a maior parte do treinamento, sob o argumento de que não queria revelar a escalação para os equatorianos. Mas não fará muitas alterações em relação à equipe que vinha sendo escalada por Dunga, seu antecessor.

O treinador se mantém fiel à intenção de escalar os jogadores no posicionamento em que mais se sentem à vontade. A tendência é que a defesa seja quase toda a mesma que iniciou a partida em que o Brasil foi derrotado pelo Peru por 1 a 0 em junho, na Copa América, e que determinou a eliminação na primeira fase e a demissão de Dunga.

Assim, Alisson, Daniel Alves, Gil e Miranda estariam garantidos. Na lateral-esquerda, Marcelo, que Tite resgatou para a seleção, está bem cotado. Mas Filipe Luis (que jogou na derrota para os peruanos) tem chances de ser mantido.

Casemiro será o único volante no esquema 4-1-4-1 que Tite pretende implantar. O treinador deve completar o setor com Willian, Renato Augusto, Paulinho e Neymar. Como atacante isolado, apesar de gostar muito de Taison, a tendência é que Gabriel Barbosa ocupe o setor.

Tite está trabalhando nessa fase inicial na seleção com três fatores que visam compensar o pouco tempo de treinos: conversas, vídeos e atividade de campo.

Ele já passou para os convocados sua visão tática por meio de vários bate-papos, coletivos e individuais. “Conversamos no sentido de potencializar individualidades e coletivo. Os dois precisam estar presentes (numa equipe)”, diz o treinador.

Na terça-feira, antes do treino realizado no estádio Casa Blanca, da LDU, Tite exibiu um vídeo sobre tática para os atletas. E também exercitou conceitos no campo. Tite percebeu, ao longo da carreira, que jogadores têm maneiras diferentes de compreender melhor as propostas dos técnicos, por isso a adoção das três formas de didática.

VÍDEOS