Trio suspeito de latrocínio de PM é preso, em Manaus

Thiago Monteiro/Dez Minutos


Manaus – Em menos de uma semana, policiais da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD) conseguiram prender três homens envolvidos no assassinato do sargento da Polícia Militar (PM), Denilso Xavier Torres, 48, morto a tiros na última sexta-feira (30), na Rua Guapuruju, bairro Monte das Oliveiras, zona norte de Manaus. De acordo com o delegado Adriano Felix, da DERFD, o trio estava fazendo um arrastão no local durante o latrocínio, roubo seguido de morte.

Conforme Felix, entre os presos estão Daniel Marques de Oliveira Castelo, 21, que confessou que atirou no PM, João Victor Araújo Carvalho, 21, que roubou os pertences das vítimas e Moisés Marialva Asceni, 20, que estava dirigindo o carro usado no latrocínio.

“Logo após o crime, a equipe de inteligência da DERFD foi até o local, onde conseguiu filmagens e identificou cada um dos assassinos do PM”, disse o delegado Adriano Felix.

Segundo o delegado, o trio foi preso através de um mandado de prisão da 5ª Vara Criminal, na última quarta-feira (5). Daniel foi capturado em uma casa, no Ramal do Bandeirante, no quilômetro 14, da rodovia federal BR-174. João Victor foi preso em uma floricultura, na Avenida do Turismo, bairro Tarumã, zona oeste da capital e Moises na casa dele, na Rua Cajual, comunidade Rio Piorini, bairro Colônia Terra Nova, zona norte.

Felix informou que no dia do crime o trio estava em um carro, Gol, prata e placa JWN-4598, conduzido por Moisés. Segundo o delegado, eles estavam cometendo assaltos nas ruas do bairro Monte das Oliveiras. “A vítima estava em um ponto de venda de churrasco, quando Daniel e João o abordaram, tentaram roubar o celular do sargento, que reagiu ao roubo, sacou a arma dele, efetuou três tiros contra os criminosos e foi atingido”, disse o delegado Adriano Felix.

Conforme o delegado, Daniel, que estava com um espingarda caseira, de calibre 12, atirou no PM, que foi levado para o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) Eliameme Mady, no conjunto Galiléia, onde não resistiu ao ferimento e morreu na unidade hospitalar.

Cunhado do PM, o comerciante Walter Gusmão, 35, que presenciou o latrocínio afirmou que o trio roubou três celulares no local. “Eles deixaram uma ferida, mas espero que passem bastante tempo na cadeia”, disse o familiar.

O trio foi indiciado por latrocínio. Eles foram encaminhados a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro, em Manaus.

VÍDEOS