Moradores do Cidadão 10 denunciam invasão de assaltantes e traficantes

Manaus – “Vivemos abandonados. Aqui é uma terra sem lei”, relatou o líder comunitário do conjunto Cidadão 10, no bairro Tarumã, Marivaldo Duarte de Andrade. Ele afirmou que, todos os dias, ocorrem assaltos pela área e, em apenas um mês, pelo menos, quatro casas foram roubadas na região.

Uma das casas invadidas por bandidos foi a da dona de casa Erenilza Bentes Souza, de 42 anos. Ela explicou que a ação dos assaltantes está cada vez mais violenta. É a segunda vez que a casa dela é roubada. “Moro há três anos no conjunto. Me mudei do bairro Compensa, na zona oeste. Cheguei aqui com o meu filho, de 12 anos, cheia de esperanças de viver um local mais tranquilo, já que aqui é um lugar mais isolado. No entanto, passaram apenas seis meses, quando minha casa foi roubada, pela primeira vez”, disse.

A dona de casa contou que, na última ocorrência, os bandidos chegaram a trancá-la no banheiro, para roubar os eletrodomésticos e pertences pessoais. “Além do medo, isso me desestimulou a fazer benfeitorias na minha casa. Não tenho condições de morar em outro local, mas estou apavorada”, lamentou.

O líder comunitário contou que além dos problemas de roubos, o tráfico de drogas no local também é constante. Ele já flagrou pessoas vendendo drogas, na entrada no conjunto e, até mesmo, na rua, à luz do dia.

Conforme a assessoria de comunicação da Superintendência Estadual de Habitação (Suhab), o Cidadão 10  foi inaugurado, em julho de 2006, com 500 casas populares. Quase dez anos depois, Marivaldo reclama do abandono. “Eu luto pelos que vivem aqui, para que tenham uma qualidade de vida melhor, no entanto, o poder público não coopera”, criticou.

O padeiro José Altair Silva, 41, critica a falta de policiamento no local. Segundo ele, uma viatura passa a cada duas horas ou quando o crime já aconteceu. “Antes, eles faziam blitze, na entrada, no conjunto e pelas ruas principais. Hoje, o que vemos são casas reforçadas com cadeados e grades”, afirmou.

O sargento Edson França, 20ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), explicou que a área do bairro Tarumã é extensa. No entanto, deve reforçar o policiamento da área. “A vigésima possui 10 viaturas para patrulhar 30 locais, entre comunidades e conjuntos, além de ramais e outros pontos isolados. Apesar do trabalho, nós realizamos, todos os dias, patrulhamentos no local. Vamos aumentar a ronda por lá e apurar as denúncias sobre os roubos e o tráfico de drogas”, disse.

VÍDEOS