Professores decidem cobrar 27,5% de reajuste em contraproposta ao governo

Em greve desde o dia 22 de março, a categoria rejeitou a nova proposta do governo, de correção salarial de 15,53%. Greve está mantida até que solicitação seja acatada

Sofia Lorrane

Manaus – Após rejeitarem a nova proposta de reajuste, de 15,53%, oferecido pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), os professores do Estado decidiram apresentar uma contraproposta de correção salarial de 27,5% ainda neste ano. A greve da categoria, que iniciou o movimento pedindo 35% de reajuste, está mantida em todo o Amazonas até que a solicitação seja acatada pelo governo, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam).

Professores do Estado continuam em greve (Foto: Sandro Pereira)

A contraproposta foi apresentada à categoria pelo Sinteam e aprovada em assembleia geral, na tarde desta quinta-feira (5), na Arena Amadeu Teixeira. De acordo com o secretário de organização do Sindicato, Cleber Ferreira, a nova proposta atende aos pedidos da classe.

“A categoria decidiu a continuidade da greve, vamos manter o diálogo com o governo para tentar chegar a um ponto em consenso, vamos ver quais serão os efeitos dessa nossa decisão. Saindo daqui nós vamos escrever a proposta e retornar ao governo para apresentá-la, já que foi aceita pelos professores”, disse.

A professora Auxiliadora Viegas, 33, conta que a proposta feita, na última quarta-feira (4), pelo governo não foi aceita porque não se aproxima do que a categoria solicita. “A proposta que foi apresentada ontem (4) pelo secretário foi um absurdo, de aumentar apenas 1% do que ele já havia proposto, que já era uma vergonha. Agora queremos algo que realmente nos beneficie, não queremos merreca. Queremos nossos direitos, vamos à luta”, afirmou.

O professor Otto França Pereira, 43, ressalta que a decisão de manter a greve é o que a categoria deseja. “Ficamos quatro anos sem reajuste na data base e isso está realmente inflamando, agora nós queremos Justiça. A categoria, hoje, mantém a greve é o que queremos, isso até que a Justiça sancione a proposta, e assim que for aprovada a categoria suspende a greve”, afirmou.

Professores decidem cobrar 27,5% de reajuste em contraproposta ao governo (Foto: Sandro Pereira)

O secretário de Estado de Educação e Qualidade do Ensino, Lourenço Braga, informou, por meio de nota, que vai aguardar a comunicação oficial da contraproposta dos servidores da educação para definir os próximos passos da negociação. O secretário reafirmou o compromisso do governo de manter aberto o canal de diálogo com os representantes da categoria, mas lamentou a radicalização do movimento, pois, segundo ele, a proposta do governo é a maior dos últimos anos.

Greve

A greve geral dos professores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) foi decretada no dia 22 de março e, até o momento, está mantida. A categoria começou o movimento pedindo 35% de reajuste, sendo 30% de reposição da inflação referente ao período de abril de 2014 a março de 2018, e 5% de ganho real.

No dia 28 de março, o governo do Estado se reuniu com o Sinteam e apresentou uma proposta de 14,57% de reajuste, que foi recusado pela categoria na última segunda-feira (2). A nova proposta, apresentada na quarta-feira (4), foi menos de 1% da que foi apresentada anteriormente, oferecendo aos professores um reajuste de 15,53%, dentre outros benefícios.

VÍDEOS