Governo reúne com Sinteam para negociações, mas deixa Asprom Sindical de fora

“Isso é uma tentativa deles continuarem com o jogo que eles acertaram (governo e Sinteam), para não defender os interesses dos professores", denunciou um representante da Associação

Stephane Simões

Manaus – A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) fará uma reunião, na tarde desta quarta-feira (28), com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) para dar continuidade às negociações, conforme informou a secretaria de comunicação do governo. Porém, a Associação Movimento de Luta dos Professores de Manaus (Asprom Sindical) afirmou que não foi convocada.

Professores interditaram a Avenida Brasil, no sentido Centro, em protesto contra Amazonino (Foto: Pablo Trindade)

O coordenador financeiro da Asprom Sindical, Lambert Melo, disse que o governo está insistindo em negociar com o Sinteam porque é mais propício para ele. “Isso é uma tentativa deles continuarem com o jogo que eles acertaram (o governo e o Sinteam), para não defender os interesses dos professores. O Sinteam está negociando 4,5% de reajuste, e os professores são contra. Se o governo negociasse com a Asprom, nós iríamos exigir os nossos 35% de reajuste”, acrescentou Lambert.

A Asprom Sindical realizou um protesto, na manhã desta quarta-feira, em frente à sede do governo, na Avenida Brasil, bairro Compensa, zona oeste. Segundo o coordenador, eles tentaram montar uma comissão para dialogar com o governo. “Nós tentamos negociar, hoje, com o governo, mas não tinha ninguém para nos receber. O governador não estava, a casa civil e a casa militar estavam vazias”, afirmou Lambert.

Mesmo com a decisão liminar da desembargadora Maria do Perpétuo Socorro Guedes Moura, da Segunda Câmara Cível do TJAM, deferida na sexta-feira (23), a categoria decidiu manter a greve por tempo indeterminado. Conforme a liminar, ficou determinada a suspensão do movimento grevista liderado pela Asprom Sindical e multa diária de R$ 20 mil, ao limite de R$ 400 mil, caso a entidade descumpra a decisão.

“Na segunda-feira (26), fomos notificados com a decisão, mas a assembleia geral resolveu não aceitar. A greve será mantida, mesmo com desconto e aplicação de multa”, disse Lambert. O coordenador financeiro disse, ainda, que o sindicato já está com R$ 70 mil de multa.

Nesta sexta-feira (30), o sindicato reunirá com o comando de greve para definir as ações que serão realizadas na próxima semana. “Como sabemos que o governador já foi para sua pescaria, não será possível tentar um diálogo nesse fim de semana”, ironizou.

VÍDEOS