Bombeiros iniciam buscas com máquinas pesadas em edifício que desabou, em SP

Duas escavadeiras, um trator e caminhões começaram a auxiliar os integrantes das equipes de resgate, após 48 horas do desabamento do edifício

Agência Brasil / redacao@diarioam.com.br

São Paulo – O Corpo de Bombeiros iniciou nesta quinta-feira (3) nova estratégia para a retirada dos escombros do edifício Wilton Paes de Almeida, que desabou em um incêndio ocorrido na madrugada do dia 1º em São Paulo. Duas escavadeiras, um trator e caminhões começaram a auxiliar os integrantes das equipes de resgate, após 48 horas do desabamento do edifício.

Nesta imagem feita nesta quarta, os bombeiros trabalhavam na busca pelos desaparecidos e retirada dos destroços do prédio que desabou após incêndio da madrugada de terça (1º), em São Paulo, no Largo do Paissandu (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

“Informamos que completadas as 48 horas do colapso estrutural do edifício no Largo do Paissandu, o Corpo de Bombeiros já entrou com máquinas para auxiliar na remoção dos escombros. Cumpre salientar que isso não quer dizer que descartamos encontrar vítimas com vida, mesmo com as máquinas, o trabalho continuará cuidadoso”, informou a corporação, em nota divulgada no Twitter.

O Corpo de Bombeiros trabalha, desde o início da manhã, com 62 homens e 20 viaturas no local. O protocolo internacional, em casos de desmoronamento, estipula em 1% a 3% as chances de encontrar sobreviventes após 24 horas. As chances de encontrar pessoas vivas após 48 horas são mínimas.

As equipes de resgate buscam quatro pessoas desaparecidas – um morador, chamado pelos vizinhos de Ricardo, que tentava ser resgatado pelos bombeiros no momento do desabamento, uma mulher e dois filhos, considerados desaparecidos pelo ex-marido.

Até o início da noite desta quarta-feira (2), cães farejadores utilizados pelas equipes de resgate não detectaram nenhum sinal de pessoas sob a montanha de escombros que restou do edifício. Segundo os bombeiros, a reação dos cães indicava que as buscas terão de ser aprofundadas com o uso de máquinas pesadas, que começou a partir das 3h desta quinta-feira.

Mais 45 pessoas, que constam no cadastro da prefeitura como moradoras do prédio, também não foram localizadas, mas não há informação de que estavam no edifício.

A Prefeitura de São Paulo informou que o prédio era ocupado por 372 pessoas, de 146 famílias. De acordo com a Secretaria de Assistência Social, 320 pessoas foram cadastradas como desabrigadas após o desabamento.
Notícias Relacionadas

VÍDEOS