Amazonino rebate Wilson Lima e nega rombo nas contas do Estado

O ex-governador disse que Lima confunde “rombo” com projeção orçamentária, ao não considerar a projeção de alta da arrecadação e que só a Amazonas Energia deve R$ 1,7 bilhões ao Estado, o que levou o governo a suspender pagamentos

Da Redação contato@jornaldezminutos.com.br

Em resposta ao governador Wilson Lima, o ex-governador do Estado Amazonino Mendes disse, em nota, que Lima se equivocou ao divulgar, em tom de denúncia, “rombo de R$ 2,3 bilhões”. O atual governador do Estado afirmou, na quarta-feira (2), que “a casa não está nada arrumada” e que o novo Governo do Amazonas inicia com déficit orçamentário de R$ 1,5 bilhão e dívida superior a R$ 867 milhões, que somados superam R$ 2,3 bilhões.
Conforme Amazonino, a distribuidora de energia elétrica Eletrobras Amazonas Energia deve R$ 1,7 bilhão em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para o Estado. A nota da assessoria de imprensa do ex-governador informa que o governo estadual suspendeu o pagamento da tarifa de energia quando descobriu a dívida da empresa.
“Paramos de pagar e oficializamos essa dívida da concessionária para com o Estado que já foi devidamente reconhecida pelo Conselho de Recursos Fiscais e ajuizada. Portanto, aptos para depósitos judiciais ou para efetuar encontro de contas”, afirmou Amazonino, na nota. De acordo com o ex-governador, “o valor que o Estado tem que pagar é infinitamente menor que o débito da distribuidora com o Estado”.

Para Amazonino, o orçamento era de R$ 15,3 bilhões, mas foi realizado R$ 17,6 bilhões, ao superar a receita projetada em R$ 2,3 bilhões (Foto: Sandro Pereira)

O ex-governador disse, ainda, que Wilson Lima se equivoca ao confundir “rombo” com projeção orçamentária, pois os dados divulgados pelo atual governador do Estado não levam em consideração, segundo Mendes, a projeção do crescimento da arrecadação.
“Quando recebemos o Estado, o orçamento para 2018 era de R$ 15,3 bilhões, mas, ao final, realizamos R$ 17,6 bilhões. “Superamos a receita projetada em R$ 2,3 bilhões graças a um grande esforço fiscal, aumentando a receita, combatendo a corrupção, a sonegação e eliminando desvios”, afirmou Amazonino.
O ex-governador afirmou que “de forma polida e respeitosa, que é compreensível que o seu sucessor recém-empossado, Wilson Lima, ainda não conheça todos os números do Estado e, por isso, divulgue informações absolutamente equivocadas”, diz o texto.
Agora, informou nota de Amazonino, o orçamento aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado (ALE), para 2019, é de R$ 17,2 bilhões, portanto, menor que o realizado em 2018. Esse valor não leva em consideração a projeção de crescimento de receita.
Ainda por meio da nota enviada à imprensa, Amazonino informou que na área de Saúde assumiu o governo com um déficit de R$ 1,2 bilhão e o reduziu para pouco mais de R$ 500 milhões. “Os outros R$ 600 milhões apontados no relatório do novo governo são, na verdade, dívidas não reconhecidas pela administração de Amazonino e que foram contraídas pelos seus antecessores.

VÍDEOS