Justiça bloqueia R$ 900 mil de empresas que prometiam reduzir juros de veículos

Conforme as investigações, a promessa das empresas era renegociar a dívida dos compradores, reduzindo, em até 50%, as taxas de juros das parcelas de veículos. Novos boletos eram emitidos, mas os valores não eram repassados às financiadoras

Édria Caroline / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Cerca de R$ 900 mil foram bloqueados das empresas HBM Assessoria de Crédito LTDA e Confiance Recuperadora de Crédito. As empresas são suspeitas de dar golpes em clientes, prometendo reduzir valores de boletos de veículos, sendo que o dinheiro não era repassado às financiadoras. De acordo com as investigações, os clientes perdiam os veículos e ainda tinham o nome lançado em restrição de crédito. Com o golpe, as empresas prejudicaram, pelo menos, 250 pessoas, causando prejuízo aproximado de R$ 3 milhões.

Em coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira, o defensor público titular da DPEAIC, Carlos Alberto Almeida, disse acreditar que mais de 250 pessoas foram vítimas do golpe (Foto: Raquel Miranda)

Segundo a Defensoria Pública Especializada em Atendimento de Interesses Coletivos (DPEAIC), que enviou o pedido de bloqueio à Justiça, a promessa das empresas era renegociar a dívida dos compradores, reduzindo, em até 50%, as taxas de juros das parcelas de veículos.

Investigações da Polícia Civil (PC) indicam que novos boletos bancários eram emitidos, mas os pagamentos não eram repassados às instituições financeiras.

Como o saldo devedor continuava junto às financiadoras, os nomes dos donos de veículos eram enviados para restrição de crédito. Além disso, seguindo o processo habitual desse tipo de contrato, as empresas tomavam de volta o veículo do proprietário.

O golpe foi descoberto durante as investigações que resultaram na prisão de Cyntia Valéria Belo Pereira, então gerente da Confiance, em abril deste ano.

Segundo a Defensoria, somado, o prejuízo às vítimas é estimado em R$ 2.941.768,00. O defensor público titular da DPEAIC, Carlos Alberto Almeida , acredita que mais de 250 pessoas foram vítimas do golpe, mas, até o momento, cerca de cem pessoas denunciaram o caso. “Esse é o número estimado de pessoas, segundo a Delegacia do Consumidor, mas é provável que tenha muito mais pessoas vítimas desse golpe. Para sabermos, de fato, quantas pessoas foram enganadas, elas precisam nos procurar, com todos os documentos, para que a denúncia seja formalizada”, explica.

A DPEAIC fica localizada na Rua 24 de Maio, 321, Centro.

VÍDEOS