Estudo detecta queda preocupante na população de insetos voadores

As causas, contudo, ainda são incertas. Não se descarta, contudo, o efeito do uso de pesticidas e adubo na agricultura como um dos possíveis fatores dessa queda em grande escala

Da Redação/redacao@diarioam.com.br

Manaus – Um estudo feito em 63 áreas de proteção ambiental indica que, desde 1989, a redução foi de mais de 75% e comprova a suspeita de cientistas, que há anos estavam à procura de evidências empíricas de que o número de insetos que voam está em declínio.

Pesticidas e adubos podem estar relacionados com a diminuição dos insetos (Foto: Reprodução/BBC News)

As causas, contudo, ainda são incertas. Não se descarta, contudo, o efeito do uso de pesticidas e adubo na agricultura como um dos possíveis fatores dessa queda em grande escala.

Caspar Hallmann, da universidade holandesa Radboud, afirma que os achados da pesquisa confirmam o chamado ‘efeito para-brisa’.

“Confirmam o sentimento que todo mundo tinha: o do efeito para-brisa no qual você, à medida que o tempo passa, vê cada vez menos insetos batendo no vidro da frente do carro”, observa.

O pesquisador diz que esse é o primeiro estudo que observou toda a população de insetos voadores e coletou evidências que indicam uma drástica redução.

Os dados incluem informações de milhares de insetos diferentes, como, por exemplo, abelhas, borboletas e mariposas. O declínio da população foi observado em diferentes condições. Cientistas acreditam que variáveis como habitat, uso da terra e do clima não interferiram na queda.

Por isso, os pesquisadores salientam a importância de adotar medidas conhecidas por atrair insetos, como uso de polonizadores, e estratégias capazes de minimizar os danos da agricultura intensiva. Também dizem ser necessário identificar rapidamente as possíveis causas e a extensão do declínio em cada uma das populações de insetos aéreos.

VÍDEOS