‘Ô mana’: Cantor amazonense com raízes no teatro lança trabalho independente

O cantor Francisco de Paula Barbosa Júnior, 27, ou apenas Paco, conta que as raízes teatrais são um diferencial para o trabalho que ele desenvolve musicalmente

Maria Luiza Dacio

Manaus – O artista amazonense Francisco de Paula Barbosa Júnior, 27, ou apenas Paco, lançou, no início deste mês, seu novo videoclipe de trabalho, intitulado ‘Ô mana’. O trabalho, gravado de forma totalmente independente, teve produção musical de Viktor Judah, participação dos artistas Maria Moraes e Franklen Rosiwelt, e direção do próprio cantor, ao lado de Hannah Gonçalves, e já está disponível no YouTube.

Paco partiu para letras mais densas, com teor de denúncias sociais, o que pode ser facilmente visto em ‘Ô mana’ (Foto: Divulgação)

O artista, que iniciou no teatro, usou uma dica amiga como motivação para investir na carreira musical. “Eu nem sabia que tinha essa habilidade para canto. Na verdade, foi em um ensaio com o meu grupo de teatro. Tudo começou na brincadeira, cantando com amigos. Um dos membros me alertou sobre um potencial que eu nem sabia que tinha”, começou.

“Escolhi o rap justamente por conta da rima. Eu sou aberto a possibilidades. Iniciei com o rap por ser um estilo que tem em suas letras denúncias e permite a fala de questões sociais que, de repente, não pudessem ser exibidas em outros gêneros musicais. O ‘Ô mana’ representa isso”, explicou ele.

De acordo com o cantor, as raízes teatrais são um diferencial para o trabalho que ele desenvolve musicalmente. “Eu venho da performance, que é uma arte que trabalha com a desconstrução do ator. Não há personagem e são ações a partir das suas inquietações. Então, essa veia para composição veio disso. E eu também comecei a escrever por causa de uma disciplina da faculdade, mas em uma vertente cômica, como letras de paródia”, disse.

Mas — felizmente — ele não parou por aí. Paco partiu para letras mais densas, com teor de denúncias sociais, o que pode ser facilmente visto em ‘Ô mana’. “Tem mensagem de alerta e manifestação. Eu tenho, sim, músicas pop, mas até elas têm essa característica de fincar sobre o meu lugar de fala, do grupo que eu estou, que é a comunidade LGBTQ+. Saio, também, em defesa deles”, salientou.

No caminho certo

Após uma leve decepção com a sua primeira composição, o single mais recente é, para o cantor, uma redenção, por assim dizer. “O Viktor Judah conseguiu entender o que realmente eu queria. No ‘Ô mana’ tem o som base do hip-hop, mas tem o maracatu, o violão e são sons próximos a mim. O que não aconteceu no primeiro trabalho”, disse.

Por ser um trabalho autoral e independente, a gravação do clipe foi uma árdua tarefa para o cantor. “Precisei do apoio de muita gente. De pessoas amigas, do Coletivo Difusão, Tupiniqueen, Casa das Artes. Por ser independente, pudemos abusar e aproveitar da estética. Não tem nada padronizado, mas o resultado me agradou e eu espero que as pessoas gostem e se identifiquem”, finalizou.

Filmado em diversas locações — T1, Manaus Moderna, Casa das Artes e Ponte Rio Negro —, o vídeo de ‘Ô mana’ está disponível no canal oficial do artista: ‘PACO Oficial’. Assista:

VÍDEOS